Skip to main content

Assessor de gabinete do prefeito recebe 6 meses de periculosidade

By 22/11/2022novembro 23rd, 2022Política

Prefeitura diz que pagou R$ 4,4 mil a mais para o comissionado por ele usar moto; Denúncia foi feita pelo vereador Ademir Silva

Demétrio Bento da Cruz, assessor de gabinete do prefeito de Divinópolis, Gleidson Azevedo (PSC) recebeu pelo menos seis meses de adicional de periculosidade, valor que representa 30% da remuneração.

Auxiliar de serviços, ele é servidor de carreira. Entretanto, foi nomeado para o cargo comissionado desde o início do atual governo.

Em novembro e dezembro do ano passado e janeiro de 2022, o assessor do prefeito recebeu, apenas pelo adicional, R$ 715,68 por cada mês. Em fevereiro, com o reajuste salarial, o montante subiu para R$ 751,46.

A periculosidade também foi paga em março e abril deste ano. O último mês foi maio, quando ele recebeu R$ 26,21 referentes a dois dias.

Ao longo dos seis meses mais os dois dias proporcionais, Demétrio Bento recebeu R$ 4.427,63. A justificativa da prefeitura é que ele tem direito ao adicional por usar moto para fiscalização. Ele teria usado o veículo para fiscalizar a Copasa.

“Utilização de moto para desempenho das atividades gera percepção de periculosidade”, informou a assessoria de comunicação da prefeitura.

Demétrio tem remuneração, como comissionado, fixada em R$ 2.620,85. Por ocupar o cargo, ele ainda recebe 100% de gratificação (2.620,85).

Na lista de benefícios ainda estão: vale refeição e auxílio transporte que variam de acordo com o mês. Em maio quando ele recebeu pela última vez a periculosidade, o vale refeição foi de R$ 220 e o transporte R$ 554,80.

Críticas

O adicional foi questionado pelo vereador Ademir Silva (MDB) que foi alvo, esta semana, de críticas do comissionado após questionar o edital de licitação da Secretaria Municipal de Educação para compra de materiais para reforma de telhados.

“O puxa saco está lotado no gabinete do prefeito, é um auxiliar de serviço, posso garantir aos divinopolitanos, é um dos auxiliares de serviço que mais ganha em Divinópolis, chega, em certos meses ,a mais de 6 mil reais”, afirmou.

Para Ademir, o recebimento é ilegal.

“Nosso amigo puxa saco corre algum perigo na função de assessor do prefeito?”, indagou e completou:

“Você recebe ilegalmente. Trata-se de arrumar uma justificativa para isso porque senão vai ter mais uma denuncinha no Ministério Público”, ameaçou.