Skip to main content

Ato golpista: Veja o que dizem as lideranças políticas de Divinópolis

Prefeito, deputados eleitos e reeleito, presidente da câmara e senador eleito; Saiba a posição de cada um

Lideranças políticas de Divinópolis (MG) se manifestaram ao longo de domingo (8/1) sobre os atos golpistas e criminosos que ocorreram ontem em Brasília. Bolsonaristas radicais invadiram e depredaram as sedes dos três poderes.

A vereadora e deputada estadual eleita Lohanna França (PV) foi uma das primeiras a repudiar o ato. Ela lembrou uma das palavras utilizadas por ela para classificar os manifestantes em acampamento na porta do Tiro de Guerra em Divinópolis.

“Baderneiros foi mesmo muita gentileza. Criminosos, terroristas ou golpistas são adjetivos que se encaixam melhor. Que sintam o rigor da lei”, declarou.

Ela ainda mencionou a invasão do Capitólio nos Estados Unidos.

O deputado deferal Domingos Sávio (PL) também condenou os “atos de violência ou anti-democrático”. Ao mesmo tempo diz ver não como uma manifestação “pró-Bolsonaro” e sim “contra o risco da implantação do socialismo populista ou comunismo através do governo PT”.

“Não concordo e não compactuo com nenhum ato de violência ou anti-democrático . Não concordo também que seja adequado rotular ou chamar aqueles que promoveram ou participaram de atos de vandalismo em Brasília ( QUE EU REPÚDIO ) de “Bolsonaristas”. Embora eu concorde que a totalidade ou ampla maioria tenha votado em Bolsonaro, neste momento a manifestação não é “ pró-Bolsonaro “, e sim contra o risco da implantação do socialismo populista ou comunismo através do governo do PT.

A grande questão que está posta neste momento e que gera uma grande tensão em toda sociedade e não apenas em alguns milhares de manifestantes não é mais sobre LULA ou BOLSONARO. O que aflige hoje e tensiona o Brasil é a encruzilhada entre seguirmos como uma democracia capitalista liberal ou caminharmos para um regime socialista . Sobre isto nenhum Brasileiro tem o direito de se omitir.

Minha posição é clara,sou radicalmente contra o socialismo populista ou comunismo propriamente dito. Lutarei contra a tentativa de cercear nossas liberdades e nossos direitos constitucionais, mas o farei de forma pacífica. Serei OPOSIÇÃO firme contra a tentativa de implantarem o comunismo no Brasil ou de cercear a nossa liberdade, ainda que disfarçado de socialismo populista.”

Já o deputado estadual e senador eleito Cleitinho Azevedo (Republicanos) – que apoiou a reeleição do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), disse ser a “favor das manifestações desde que sejam pacíficas e ordeiras.

O prefeito de Divinópolis Gleidson Azevedo (PSC) afirmou que a “liberdade de expressão, constitucionalmente garantido, esbarram em limites que devem ser respeitados”.

O presidente da Câmara de Divinópolis e também do diretório do PSDB local Eduardo Print Jr também repudiou os atos e classificou como “barbárie que fere todos os direitos democráticos”.

“A redemocratização do Brasil foi conquistada pelo povo de forma ordeira e legítima. O direito ao voto nos transformou numa verdadeira república. O Estado Democrático de Direito garante a condição de manifestarmos de forma pacífica, sem atacar a liberdade de ninguém. O que vimos hoje, em Brasília, foi uma barbárie que fere todos os direitos democráticos conquistados pelo povo. Não podemos fechar os olhos para este radicalismo e lamentáveis invasões nos três Poderes, locais que são símbolos da nossa democracia. Que todos os responsáveis sejam punidos da forma que define a nossa Constituição, que existe justamente para evitar atos antidemocráticos.”

O vereador e deputado estadual eleito Eduardo Azevedo (PSC) se posicionou apenas nesta segunda-feira (9/1). Ao comentar no Twitter disse ser contra “qualquer tipo de violência” e defendeu a punição. Ele ainda aproveitou para alfinetar a “esquerda” e dizer que em “2006 invadiu o mesmo local”.

Texto atualizado às 13h36 com e a posição de Eduardo Azevedo.

Amanda Quintiliano

Sou fundadora do Portal Gerais. Jornalista por formação e paixão. Curiosa, observadora e questionadora. Mãe da Cecília, na desafiadora e gratificante tarefa de maternar, empreender, realizar-se.