Skip to main content

Bebê com síndrome do intestino curto é transportada para tratamento no RS

Por 02/12/2022dezembro 5th, 2022Gerais

A menina nasceu prematura em Nova Serrana e estava internada em Belo Horizonte onde já passou por duas cirurgias

Uma bebê de seis meses foi transportada por uma aeronave do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais (CBMMG), na manhã desta quinta-feira (1/12), para receber tratamento para síndrome de intestino curto em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul (RS).

Aylla nasceu prematura em Nova Serrana (MG) e teve um problema congênito na formação do intestino. Ela estava internada no Hospital Sofia Feldman, onde já havia passado por duas cirurgias. Por meio do SUSfácil, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) providenciou a transferência da neném para o Hospital das Clínicas de Porto Alegre, referência para esse tratamento.

O transporte foi realizado pelo Suporte Aéreo Avançado de Vida (SAAV), parceria entre Corpo de Bombeiros, SES-MG e o Samu de Minas Gerais.

“Temos todo o aparato médico para manter a criança em segurança até chegarmos ao destino”, ressaltou o piloto, coronel Alexandre Gomes Rodrigues.

Além dele e do copiloto, o monomotor também transportou a mãe de Aylla, uma enfermeira e um médico para o acompanhamento da bebê durante o trajeto de aproximadamente cinco horas e meia de duração, com uma parada para abastecimento em Curitiba, no Paraná.

Cuidados

Antes de embarcar na aeronave equipada para esse tipo de transporte, o médico responsável pontuou os cuidados para evitar transtornos durante o voo.

“Fizemos toda a estabilização possível, com medicação feita previamente, e colocamos em um bebê conforto com cinto de segurança em uma maca especial, para que ela não sofra com qualquer tranco. Geralmente, a criança sofre muito mais com a altitude do que um adulto”, explica Marcelo Lopes Ribeiro, médico emergencista do Batalhão de Operações Aéreas do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais.

“É um voo teoricamente tranquilo, mas ao longo do trajeto provavelmente terei que fazer algumas sedações, para que a criança não fique incomodada com barulho e turbulência do avião”, explicou.

Recuperação

Após fazer exames, a bebê deve passar por uma cirurgia para receber um novo intestino e se recuperar em um período de cerca de dois meses antes de voltar a Minas Gerais. A transferência foi recebida com alívio pela mãe, Fernanda Lisboa, de 19 anos.

“O problema foi identificado quando ela tinha 17 dias de vida. É muita alegria e esperança irmos para esse hospital referência no tratamento que ela precisa”, comemora.