Skip to main content

Cleitinho diz que será fiscal para impedir “patifaria e corrupção”

By 31/10/2022Política

Senador eleito fez vídeo comentando imagem em que Lula aparece ao lado do deputado José Guimarães

O senador eleito, o deputado estadual Cleitinho Azevedo (PSC) fez a primeira postagem, nesta segunda-feira (31/10), após a eleição de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) à presidência da república. Usando uma imagem do discurso da vitória em que aparece o deputado federal José Guimarães (PT/CE), ele disse que irá ser fiscal para impedir “patifaria e corrupção”.

“Estou ouvindo algumas pessoas falarem que o crime compensa. Compensava porque não vai compensar mais não. Porque vocês me colocaram como senador e eu como senador tenho obrigação de fiscalizar e cobrar. Vocês estão achando que situações como desse cara aqui (se referindo ao deputado federal), que está aqui, como essa cara lavada, que está do lado do Lula, ontem no discurso do Lula da vitória, com essa cara de pau dele aqui, que encontrou dinheiro dentro da cueca dele, vocês estão achando que situações como essa, eu como senador vou deixar? Eu estando lá para cobrar, para fiscalizar, para representar minha nação. Ou qualquer outro tipo de corrupção, vocês estão achando que eu vou deixar?”, disse no vídeo.

A imagem viralizou entre apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PL) entre ontem e hoje. Entretanto, ao contrário do falado pelo senador eleito, José Guimarães não estava com dinheiro na cueca. Em 2005, na época do mensalão, o ex-assessor do deputado foi preso com cerca de U$ 100 mil dólares na cueca de R$ 209 mil em uma mala de mão. Ele tentava embarcar no aeroporto de Congonhas, em São Paulo.

O processo prescreveu em 2021 por falta de provas. Em julho, do ano passado o próprio Ministério Público Federal reconheceu a prescrição do caso.

A Procuradoria apresentou denúncia atribuindo o dinheiro a propina obtida a partir de contratos do consórcio Sistema de Transmissão do Nordeste e do Banco do Nordeste do Brasil. Entretanto, não conseguiu provar.

“Soldado”

Cleitinho ainda disse que para o país virar uma Venezuela terão que “passar por cima” dele. A narrativa tomou a campanha eleitoral.

Ele também se classificou “soldado” do presidente Jair Bolsonaro (PL) e mandou recado à “nação brasileira”.

“Acalma-se os que estão com nós são maiores do que os que estão com eles. Nós somos a maioria e vamos para cima”.