“Desinterdição de shopping não seguiu procedimentos legais”, diz prefeitura

Prefeito determinou o envio de notícia de fato ao Ministério Público para as responsabilidades sejam apuradas

A prefeitura de Divinópolis disse, nesta segunda-feira (21), em nota que a desinterdição do shopping “Pátio Divinópolis” não observou os procedimentos legais de praxe. A declaração foi feita após relatos da Diretora de Vigilância em Saúde, do Secretário de Saúde e da Procuradoria-Adjunta. Afirmou também que “de parte do Executivo, não houve qualquer interferência quanto à atuação dos agentes de fiscalização que ali atuaram, em nenhum momento”.

O shopping foi interditado na noite de sábado (19) devido a aglomeração. O fiscal encontrou clientes circulando sem as fichas de controle de presença. No domingo (20), o local foi desinterditado. O prefeito eleito Gleidson Azevedo e Janete Aparecida, ambos do PSC, estiveram no local e afirmaram que “conseguiram junto à Vigilância Sanitária” a liberarem o funcionamento.

“Graças a Deus, eu e a Janete conseguimos junto com a vigilância sanitária, dentro da legalidade, obedecendo um novo plano de trabalho, para liberar o shopping hoje. Igual eu falei, a gente precisa  conviver com o vírus, mas a partir de todos nós ter essa consciência um com o outro. A gente precisa amar o próximo (…) E eu conto com todos vocês para cumprir as normas de segurança do shopping”, afirmou Gleidson em um vídeo postado nas redes sociais dele.

O prefeito Galileu Machado (MDB) determinou o envio de notícia de fato ao Ministério Público a fim de que sejam apuradas as responsabilidades em razão da desinterdição mencionada.

“O estabelecimento em questão, em razão do seu alto grau de risco de transmissibilidade do vírus da Covid-19, estará, como outros de igual espécie, sujeito à intensificação das fiscalizações para o estrito cumprimento dos protocolos sanitários. Tal medida se aliará a todas as outras que a Secretaria Municipal de Saúde vem adotando diante do agravamento epidemiológico da Covid-19 no município”, afirmou em nota.

Em nota, o governo reafirmou a “necessidade de que todas as pessoas respeitem as regras estabelecidas para a proteção da vida e da saúde neste difícil momento sanitário, colocando-as acima de qualquer outro interesse”.

Tudo legal

O superintendente do shopping, Gilson Dias disse que a desinterdição ocorreu após vistoria do mesmo fiscal responsável pela interdição. Afirmou que todas as medidas necessárias para regularizar a situação foram cumpridas e que há um documento do Vigilância liberando o funcionamento normal, conforme as normas sanitárias estabelecidas.

Ainda segundo Dias, a discussão está ocorrendo devido a presença do prefeito e vice eleitos e também do deputado estadual Cleitinho Azevedo (Cidadania). O superintendente alega que não houve interferência deles para a desinterdição e que eles estiveram no local devido ao varejão, de propriedade da família Azevedo, ser fornecedor.

Entretanto, no vídeo compartilhado pelos eleitos (veja abaixo) eles afirmam que “conseguiram” liberar o funcionamento junto a Vigilância Sanitária.

 

 

Deixe seu comentário

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do PORTAL GERAIS. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O PORTAL GERAIS poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.