Divinópolis tem recorde de mortes por COVID-19 sem comorbidades

Quinzena de abril já supera total de março, considerado pior mês; homens são maioria

Números divulgados nesta quinta-feira (15) pela Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Saúde de Divinópolis confirmam uma situação preocupante: ainda no início deste mês de abril, o município bateu recorde de mortes por Covid-19 para pessoas sem comorbidades. A maioria das 65 mortes registradas na cidade até esta quarta-feira (14) é de homens. Em março, foram 59 óbitos. 

“Desde o início da pandemia foram registrados no município 31 óbitos de pessoas que não possuíam comorbidades. Neste mês de abril, 14 pessoas já faleceram com a doença, sem apresentar fatores de risco. Dentre os óbitos, dois homens de 41 anos. Um deles ficou internado apenas um dia e não suportou a doença. Outro homem de 50 anos e sem comorbidades lutou durante 14 dias e, no entanto, também não suportou”, informa. 

Já em março, cinco pessoas morreram pela Covid-19 sem apresentar algum tipo de doença preexistente. Em fevereiro foram três e, em janeiro, quatro.

A diretora da Vigilância Epidemiológica, Erika Camargos, destaca o perfil das mudanças de morte durante a pandemia.

“Estamos observando um aumento de mortes de jovens sem apresentar nenhuma doença preexistente. A prevenção continua sendo o principal caminho para evitar a doença. Estar saudável e não apresentar doenças não significa ficar livre da doença”. 

Em 15 dias, Divinópolis contabilizou 65 mortes em decorrência da COVID-19. O número já supera o de março (59), que até então era o pior da pandemia. 14 dos óbitos são de homens sem comorbidades.

A média móvel de internações de terapia intensiva subiu de 84 em março para 115 na primeira quinzena de abril.

A média de confirmações diária subiu 48,4% nos 14 primeiros dias deste mês em relação ao anterior, ou seja, de 64 para 95. O único indicador que está abaixo quando analisado é o de notificações. A média/dia é de 310.

Divinópolis contabiliza 10.315 confirmações da COVID-19 desde o início da pandemia. 289 pessoas perderam a vida em decorrência da doença. Outras quatro mortes estão em investigação.

2020

Durante todo o ano passado, apenas cinco pessoas morreram sem apresentar alguma comorbidades, de acordo com os dados da secretaria. Em 2020, junho foi o mês com o maior número de óbitos sem agravantes: duas. A primeira morte sem doença preexistente foi em 8 de abril – uma mulher de 46 anos. Em dezembro do ano passado uma mulher de 50 anos morreu sem ficar internada em nenhuma unidade de saúde.

Das 31 mortes sem doenças preexistentes durante a pandemia em Divinópolis, 20 foram homens e 11 mulheres. Foram 13 mortes com idades inferiores a 60 anos, de acordo com os dados oficiais.

Ricardo Welbert

Ricardo Welbert

Ricardo Welbert, jornalista formado pela Uemg em Divinópolis e mestrando em Ciências da Comunicação na Universidade do Porto, em Portugal.

Deixe seu comentário

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do PORTAL GERAIS. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O PORTAL GERAIS poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.