Skip to main content

Estudantes vão às ruas pedir igualdade racial

 

Igualdade racial. Essas duas palavras estamparam as camisas das centenas de estudantes que foram às ruas de Divinópolis, nesta sexta-feira (20), defenderem a causa. A caminhada que reuniu as escolas estaduais da cidade marcou o Dia da Consciência Negra, comemorado hoje.

Os alunos se concentram na Praça da Catedral, passaram pelas ruas Primeiro de Junho, Goiás, 21 de Abril e pararam na Praça do Santuário. Com faixas, eles chamaram a atenção para um dos principais problemas sociais do país, o preconceito.

Gabriel Henrique, de 15 anos, participou da caminhada. Ao lado de professores, o aluno da Escola Estadual Vida Nova, do Jardim Floramar, defendeu mais igualdade. Ele faz parte dos adolescentes em processo de ressocialização. Participar da atividade é mais uma etapa de inclusão na sociedade.

“A gente espera a conscientização da população para acabar com este preconceito”, defendeu.

Giovani Pereira é professor da Escola Vida Nova. Para ele, a caminhada não só conscientiza a população como alerta os estudantes sobre a importância de se discutir a igualdade racial.

“Buscamos a conscientização, pois embora tenha ocorrida a abolição da escravatura ainda existe, para alguns, o preceito de que todo negro é escravo. Também queremos incluir esses adolescentes na discussão, ressocializa-los e mostra-los como conviver em sociedade”, afirmou.

Combate ao preconceito

A estudante Rayane Alves, de 16 anos, parece saber a importância de se combater o preconceito. Para ela, essa caminhada é apenas um passo para a conscientização.

“As pessoas estão perdendo os valores e caminhadas como essas podem alerta-las e incentiva-las a debater este preconceito. Apenas uma ação isolada não resolve o problema, mas várias ações podem ajudar nesta luta”, destacou a aluna da Escola Estadual Dona Antônia Valadares que fica no centro da cidade.

A caminhada foi realizada pelo SindUTE e contou com a organização da coordenadora de Políticas Sociais da SindUTE e ativista independente, Maria Catarina do Vale.

Amanda Quintiliano

Sou fundadora do Portal Gerais. Jornalista por formação e paixão. Curiosa, observadora e questionadora. Mãe da Cecília, na desafiadora e gratificante tarefa de maternar, empreender, realizar-se.

Leave a Reply