MP diz não ter elementos para instaurar inquérito contra fura-filas da vacina

Ofício foi encaminhado pelo vice-presidente da câmara pedindo providência da promotoria; Município informa periodicamente listagem de vacinados ao MP

O Ministério Público (MP) confirmou o recebimento de ofício encaminhado pelo vice-presidente da Câmara de Divinópolis Roger Viegas (Republicanos) sobre a suspeita de fura-filas na vacinação da COVID-19. No documento ele pede providências quanto a eventual falta de transparência da Secretaria Municipal de Saúde. O vereador chegou a afirmar ter provas robustas de que médicos e familiares foram vacinados sem se enquadrarem no grupo prioritário de profissionais de saúde da linha de frente.

Em um dos relatos, ao qual a reportagem teve acesso, aparecem os nomes de dois médicos, sendo um pediatra e uma gastroenterologista. As denúncias teriam partido de pessoas que trabalham dentro dos hospitais particulares.

A promotoria informou que a solicitação da Câmara Municipal foi juntada ao procedimento administrativo nº 0223.20.000315-8 (atuação conjunta da Promotoria de Justiça de Defesa da Saúde de Divinópolis e da Coordenadoria Regional de Defesa da Saúde), instaurado em 2020, com o objetivo de acompanhar as providências adotadas pela Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais e pela Secretaria Municipal de Saúde de Divinópolis em relação à pandemia no município, no qual estão sendo diligenciadas as medidas que se mostram adequadas.

Ainda segundo o órgão, até o momento não chegaram ao conhecimento elementos de informação mínimos sobre casos de “fura-filas”, que justifiquem a instauração de procedimento investigativo específico.

Transparência

Diante das críticas de lentidão, o secretário de saúde, Alan Rodrigo justificou, em coletiva na sexta-feira (19/02), dizendo que a Semusa desenvolveu um protocolo para dar mais transparência. 

“O frasco é aberto na frente da pessoa, é aspirado na frente da pessoa e aplicado, exatamente para que não haja nenhuma maneira de burlar. Isso demora um pouco e leva um tempo a mais. A gente chegou a vacinar 100 pessoas por dia e batemos o recorde de 900”, explicou o secretário da pasta.

Essa metodologia, segundo Silva, é para “buscar a organização do processo”.

 “Que é robusto e extremamente fiscalizado”, completou.

Outra medida adotada para assegurar o cumprimento do Plano Nacional de Imunização é o envio da listagem dos vacinados com local de trabalho e idade ao Ministério Público. A iniciativa partiu por conta do próprio município sem ser provocada pela promotoria.

“Até o momento o Ministério Público não provocou o município para judicialização para expor estes dados. A gente entende então que o processo está robusto, transparente no sentido da legalidade”, analisou.

A partir da vacinação dos próximos grupos prioritários, ainda não definidos, serão emitidas normativas regulamentando o processo de vacinação, assim como foi feito com os trabalhadores da saúde fora da linha de frente.

Foto de capa: Prefeitura informa listagem de vacinados periodicamente ao MP. Imagem registrada da vacinação dos trabalhadores da saúde (Fotos: Pablo Santos/PMD)

Amanda Quintiliano

Amanda Quintiliano

Amanda Quintiliano é editora-chefe do Portal Centro-Oeste. Jornalista por formação e paixão. Curiosa, observadora e questionadora.

Deixe seu comentário

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do PORTAL GERAIS. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O PORTAL GERAIS poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.