Na contramão das vagas de emprego, MEI’s crescem 20% em Divinópolis

“O emprego da forma com que a gente conhece está com os dias contatos”, afirma presidente da Acid

Apesar dos números negativos obtidos no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) em 2019 – empregos formais com carteira de trabalho, Divinópolis se destacou em outro índice. De 31 dezembro de 2018 ao mesmo período do ano passado, a cidade registrou crescimento de 20% na abertura de Microempreendedor Individual, os MEI’s.

Para o presidente da Associação Comercial, Industrial, Agropecuária e Serviços de Divinópolis (Acid), Marcos Fábio Gomes Ferreira os dados do Caged devem ser analisados paralelamente com os MEI’s. Segundo Marcos Fábio, o encerramento de vagas formais de trabalho, ou seja, em regime CLT, está dando espaço aos microempreendedores.

“O emprego da forma com que a gente conhece está com os dias contatos”, afirmou.

Para o presidente da Acid, a forma de emprego está mudando (Foto: Divulgação)

Vários fatores contribuem com o desenho deste novo cenário, segundo o presidente da Acid. Dentre elas, está o próprio perfil do trabalhador que tem buscado mais independência.

“Os próprio jovens não nasceram no mundo limitado que a CLT foi criado. O home office, o trabalho em casa, é uma realidade. Aqueles que tem o hábito noturno, como eles vão se enquadrar na CLT? Vai ocorrer a aceleração dessa nova realidade. Vamos ver isso acontecer muito em breve. Não sou eu que não quero contratar, é o cara que não quer ser contrato”, argumenta.

Atrelado a isso, está também a legislação classificada por ele como “retrógada”. Marcos Fábio diz que ela estrangula os empresários com apenas “obrigatoriedades”.

“A relação do empregado com a empresa é uma relação de prestação de serviço, a carteira é um contrato de trabalho cheio de regras, com vários direitos e deveres, mais direitos […] Fica muito perverso, você ter que colocar seu capital e pagar apenas obrigatoriedades”, explica.

Segundo ele, atualmente, em um ambiente de crise, a legislação favorece a demissão, já que não existem possibilidades de negociações como, por exemplo, redução salarial.

A migração dos celetistas para MEI’s, segundo ele, segue uma tendência mundial.

Amanda Quintiliano

Amanda Quintiliano

Amanda Quintiliano é editora-chefe do Portal Centro-Oeste. Jornalista por formação e paixão. Pós-graduada em Marketing e Comunicação Integrada.

Deixe seu comentário

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do PORTAL GERAIS. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O PORTAL GERAIS poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.