Pastor suspeito de aplicar golpes em fieis deixa o presídio Floramar

Jesiel Oliveira ficou preso durante 48 dias; Ele é investigado por falsidade ideológica, lavagem de dinheiro, comunicação falsa de crime

O pastor Jesiel Júnior Costa Oliveira, de 40 anos, preso no dia 08 de outubro, em Divinópolis, deixou o presídio Floramar no domingo (24). Ele foi solto após 48 dias preso acusado de estelionato, falsidade ideológica, lavagem de dinheiro, comunicação falsa de crime, sonegação fiscal.

O caso do pastor está sob responsabilidade de uma nova advogada. Ao PORTAL GERAIS, a defesa disse que o processo corre em segredo de justiça e que, por isso, não irá comentar.

A Polícia Civil concluiu três inquéritos contra Oliveira e há outros dois em tramitação, segundo a delegada, Adriene Lopes. Nesta terça (26) ela disse que não tinha conhecimento sobre as circunstâncias em que o pastor havia sido liberado.

De acordo com informações apuradas pela reportagem, ele teria pago fiança. A informação não foi confirmada pela defesa.

Os crimes

As investigações foram iniciadas em abril deste ano, quando seis vítimas procuraram a delegacia regional, em Divinópolis, relatando os supostos golpes. No dia 08 de outubro foram cumpridos mandados de busca e apreensão na casa, empresa e igreja de Jesiel.

As apurações apontavam que ele oferecia às vítimas a participação na empresa dele, que trabalhava com recursos de multa de trânsito, com sede na Rua Minas Gerais. Para outras, também eram oferecidas franquias, apesar do fato da entidade não ser uma franqueadora.

O Pastor, segundo a Polícia Civil, se passava por advogado, mesmo não estando inscrito em quadros de advocacia ou de estagiários. À época, foram contabilizados mais de R$ 300 mil de prejuízos, com os crimes praticados.

Amanda Quintiliano

Amanda Quintiliano

Amanda Quintiliano é editora-chefe do Portal Centro-Oeste. Jornalista por formação e paixão. Pós-graduada em Marketing e Comunicação Integrada.

Deixe seu comentário

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do PORTAL GERAIS. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O PORTAL GERAIS poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.