Skip to main content

PCMG aponta envolvimento de autoescola em furtos e golpes a fazendeiros

Por 21/12/2022dezembro 25th, 2022Gerais

13 pessoas são investigadas; Operação foi desencadeada pela Polícia Civil e 16 mandados de busca e apreensão cumpridos

A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG), em Lagoa da Prata (MG), deflagrou a operação Novo Oeste, visando desarticular uma organização criminosa voltada aos crimes de estelionatos e furtos de tratores e bovinos com atuação na região Centro-Oeste. O envolvimento de uma autoescola da cidade é investigado.

Foram cumpridos 16 mandados de busca e apreensão nos municípios de Lagoa da Prata, Japaraíba, Iguatama, Dores do Indaiá, Carmo do Cajuru e Divinópolis.

As investigações tiveram início há cerca de oito meses a partir do furto de um trator em Japaraíba. O veículo foi encontrado em um canavial em Lagoa da Prata.

“Até o momento, 13 treze pessoas são investigadas. Inclusive, apuramos o envolvimento de uma autoescola como possível ponto base da quadrilha. Inclusive há indícios de utilização de veículos dessa empresa”, conta o delegado responsável pelas investigações Ivan Lopes.

Os levantamentos apontam que a quadrilha fez vítimas nos municípios de Lagoa da Prata, Japaraíba, Arcos, Luz, Santo Antônio do Monte, Córrego Danta, Paineiras, Iguatama, Serra da Saudade e Uberlândia.

De acordo com o delegado, a quadrilha agia em dois núcleos. Um deles de furto de tratores e o outro de golpes a fazendeiros e postos de combustíveis.

Em um caso interceptado pela Polícia Civil, os investigadores impediram que fosse consumada a compra de 30 cabeças de bois. Um dos suspeitos foi preso no local e o outro fugiu, segundo a polícia, com suporte da autoescola.

Os suspeitos também usavam os carros para aplicar golpes em postos de combustíveis. Eles abasteciam, pagavam com cheques em valores de R$ 7 mil a R$ 10 mil, e recebiam o troco em dinheiro. Para dar credibilidade, usavam os carros da autoescola.

Um dos investigados está preso por roubo recente de um trator em Bom Despacho. Já os outros alvos respondem ao inquérito policial em liberdade até a conclusão dos trabalhos investigativos.

“As investigações vão evoluir agora com base nos dados que serão extraídos dos computadores e telefones, com autorização judicial, obviamente, para identificar quem seriam os receptadores e não descartar que a autoescola esteja sendo usada para lavagem de dinheiro”, informa o delegado.

A ação contou com o apoio operacional da Delegacia de Bom Despacho e do 7º Departamento de Polícia Civil. Ao todo, foram empenhados 47 policiais em 114 viaturas.

Novo Oeste

O nome da operação faz alusão à região de atuação da organização criminosa, o oeste de minas, onde os criminosos agem de modo semelhante àquele personagem “fora da lei do velho oeste americano”, fazendo vítimas principalmente no meio rural.