Surto de COVID em ambientes de trabalho preocupa Vigilância em Saúde

“As pessoas não estão tendo cuidado com distanciamento, fazendo o uso correto da máscara, não estão utilizando o álcool gel”, destaca diretora

O surto de COVID-19 em ambientes de trabalho tem preocupado a Vigilância em Saúde em Divinópolis. “O que isso nos mostra? Que dentro dos locais de trabalho as pessoas não estão tendo cuidado com distanciamento, fazendo o uso correto da máscara, não estão utilizando o álcool gel”, destacou a diretora da pasta, Erika Camargos.

É considerado surto quando há duas ou mais confirmações da doença no mesmo período e local. Quando há registros como este, a Vigilância Sanitária e a Epidemiológica fazem o acompanhamento.

“Olhamos quais são os casos notificados, se as pessoas estão afastadas, se os contatos delas estão afastados e olhamos a questão da desinfecção daquele local”, explicou.

Dependendo da quantidade de pessoas contaminadas há a interdição do local até que se comprove o cumprimento de todas as medidas. A Câmara de Divinópolis registrou surto de COVID-19 com quatro vereadores contaminados. A situação foi controlada e o órgão liberado a funcionar normalmente.

Ela alerta sobre a importância de cumprir todas as normas de prevenção, não só apenas nos momentos de lazer e dentro de casa, mas também no trabalho.

Ocupação hospitalar

A preocupação vem na semana que a taxa de ocupação hospitalar atingiu o pior índice desde o início do mês, batendo 81% na segunda-feira (10/5).

Para a diretora de Vigilância de Saúde o aumento está ligado ao relaxamento das normas sanitárias.

“Apesar de ter todo esse agravo, teve sim um relaxamento por parte da população, em relação ao distanciamento, ao uso de máscara e juntamente com isso nós tivemos hospitais particulares que desabilitaram leitos COVID”, explicou.

Cinco leitos de Centro de Terapia Intensiva (CTI) foram desabilitados pela rede privada o que também impacta na taxa de ocupação. Hoje, o setor privado conta com 56 leitos exclusivos para a doença e o Sistema Único de Saúde (SUS) conta com 60. Na enfermaria são 100 e 70, respectivamente.

O perfil dos pacientes internados também está mudando.

 “Percebemos esse recuo da internação dos idosos e aumento dos jovens que pode se dar também por uma nova cepa de vírus circulante, ele é mais agressivo e leva ao aumento de internações”, explicou.

Onda roxa

Com um histórico de aumento da taxa de ocupação hospitalar desde o dia 1 de maio, Erika não descarta que o município migre da onda vermelha para a roxa, a mais restritiva.

“Infelizmente isso pode acontecer. A onda roxa não depende de uma pontuação. Ela depende da situação. Se vivenciarmos uma situação de falta de desassistência em qualquer momento a cidade pode voltar sim”, alertou, destacando a importância de se seguir as normas de prevenção.

Mesmo com casos de surtos em estabelecimentos comerciais, a diretora explica que o funcionamento do comércio está ligado às diretrizes do Minas Consciente. Quando há registros, a Vigilância faz o acompanhamento próximo para controlar a contaminação.

 

Amanda Quintiliano

Amanda Quintiliano

Amanda Quintiliano é editora-chefe do Portal Centro-Oeste. Jornalista por formação e paixão. Curiosa, observadora e questionadora.

Deixe seu comentário

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do PORTAL GERAIS. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O PORTAL GERAIS poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.