Todo trabalho é essencial!

Afinal, será que um político (trabalhando e recebendo um gordo salário) pode decidir que um determinado trabalho não é essencial?

A Pandemia de Covid 19 no Brasil foi marcada, até o momento, pela autonomia de Governadores e Prefeitos para imporem medidas de isolamento social e restrições sobre a circulação de pessoas. Tais medidas, gradativamente, foram ganhando contornos radicais.

Se por um lado, dados as características econômicas e culturais do país, observou-se uma baixa eficiência no controle do isolamento, por outro lado, uma série de abusos foram cometidos, tudo justificado por uma suposta “ciência”.

Entre tantos abusos, o tema do essencial ganhou destaque. Autoridades políticas passaram a ditar as normas do que era ou não essencial. Isolados em torres de marfim, abusando dos privilégios e dos gordos salários da atividade política, esses estagiários de ditadores, na base da canetada, decidiram que trabalhadores não essenciais deveriam ser multados ou mesmo presos pelo sistema repressivo.

Os vídeos que circularam na internet, por certo, causaram revolta e comoção em todo o país. Vendedores ambulantes e pequenos comerciantes, não raras vezes, foram tratados como marginais – agredidos, multados e até mesmo presos, com a justificativa de que – o seu trabalho não é essencial.

Afinal, será que um político (trabalhando e recebendo um gordo salário) pode decidir que um determinado trabalho não é essencial? Será papel de um político escolher quais famílias podem garantir o seu sustento e quais famílias devem ser condenadas a mais completa miséria?

O certo é que, nessa pandemia tivemos uma completa inversão de valores. Nessa pandemia trabalhar virou sinônimo de crime.

Daniel Venâncio

Daniel Venâncio

Daniel Venâncio é Doutor em Estudos do Lazer pelo Programa de Pós-graduação Interdisciplinar em Estudos do Lazer da Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional da Universidade Federal de Minas Gerais. Mestre em História pelo Programa de Pós-graduação em História da Universidade Federal de São João del-Rei (2014-2016). Pós-graduado em Educação Ambiental e Sustentabilidade pelo Centro Universitário Internacional (2015). Graduado em História pela Universidade do Estado de Minas Gerais - Unidade Divinópolis (2010-2012). Graduando em Educação Física pelo Centro Universitário Claretiano. É integrante do Grupo de Pesquisa em História do Lazer (HISLA) da Universidade Federal de Minas Gerais.

Deixe seu comentário

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do PORTAL GERAIS. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O PORTAL GERAIS poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.