Skip to main content

Vereador agride verbalmente servidora com palavrão por perder direito a fala

By 23/06/2022Padrão

“Intimidação”, afirma Lohanna que chegou a interromper o pronunciamento; Diego Espino afirma de fala era em relação a Kaboja

O vereador de Divinópolis, Diego Espino (PSC) agrediu verbalmente uma servidora da câmara com palavrão, nesta quinta-feira (23/6). A ofensa ocorreu, segundo apurou a reportagem do PORTAL GERAIS, após ele perder o direito de pronunciamento na reunião ordinária por não estar presente no plenário no momento. Espino nega que a declaração tenha sido direcionada a servidora. Afirmou que foi em relação a uma atitude de Rodrigo Kaboja (PSD).

Assim que a vereadora Lohanna França (PV) é chamada para o pronunciamento, o parlamentar se levanta e vai até a servidora do setor administrativo e a ofende. 

Lohanna que havia iniciado a fala, para e pede “questão de ordem”.

“O vereador Diego pediu que uma servidora da Casa tomasse em um lugar que é palavrão”, afirmou.

O presidente em exercício Israel da Farmácia (PDT) então responde: “Eu ouvi e isso será levado à corregedoria”.

Lohanna então completa: “As mulheres dessa casa precisam ser respeitadas”.

Intimidação

Apesar das falas transmitidas ao vivo, Diego Espino ainda tentou cercar a servidora.

“Presidente isso pode ser configurado como intimidação a servidora. Um homem agredir verbalmente uma mulher e depois ficar cercando ela”, relatou a vereadora que chegou a interromper novamente a fala dela.

O presidente pediu que o vereador deixasse o plenário ou respeitasse.

“Equivocado”

Em retorno ao contato da reportagem Diego Espino disse que foi mal interpretado. Afirmou que a fala foi em relação a atitude do vereador Rodrigo Kaboja (PSD). Ele alegou que Kaboja estava inscrito antes dele para falar. Porém, se ausentou sem comunicar. Com isso, ele achou que tinha mais tempo antes de retornar ao plenário.

“O Kaboja estava inscrito para falar, mas ele não estava presente, e eu achei ruim por ele não está presente. Perguntei a Branca porque que ele não estava presente e falei: o Kaboja é foda, ele não tem um pingo de responsabilidade. Mais ou menos isso. Não foi nada se referindo a Branca. Fica parencendo que fiz isso, se fosse eu falava”, explicou. 

Ele disse que estava ausente do plenário por que estava estudando uma pauta para abordar no pronunciamento.

Tentamos falar com a servidora, porém ela estava trabalhando diretamente na reunião ordinária que estava ainda ocorrendo até a publicação.

Pronunciamento

Os vereadores que querem pruncionar, de acordo com a assessoria da câmara, durante a reunião ordinária precisam se inscrever até 30 minutos antes. No momento da inscrição, também é definida ordem dos pronunciamentos. Caso, o parlamentar não esteja presente no momento da sequência da fala, perde o direito e pula para o próximo inscrito.

Corregedoria 

Espino coleciona descontentamentos com vereadores. Algumas denúncias relacionadas ao comportamento dele já foram levadas à corregedoria, entretanto, nenhuma foi para frente.

Mais recente, a câmara acatou a denúncia de infração político-administrativa protocolada pelo vereador Flávio Marra (Patriota) pedindo a cassação do mandato.

A denúncia foi baseada em seis fatos. Deles, cinco foram arquivados após votação em plenário.

As investigações foram mantidas relacionadas a apenas a discussão dentro da loja do denunciante, envolvendo o assessor dele e Espino.

Flávio Marra pede “impeachment” de Diego Espino; Entenda

 

Diego Espino teria ofendido a servidora após perder o tempo para pronunciar (Reprodução TV Câmara)