Voluntários da região contam histórias das vítimas de Covid-19

Três jornalistas do Centro-Oeste, moradores de Divinópolis, são voluntários da iniciativa nacional Memorial Inumeráveis

Três jornalistas do Centro-Oeste de Minas Gerais, moradores de Divinópolis, têm se dedicado a mostrar quem são as pessoas por trás das estatísticas do novo coronavírus. Mateus Teixeira, Gabriel Rodrigues e Talita Camargos são voluntários do Memorial Inumeráveis, uma iniciativa nacional que tem como objetivo contar a história de cada uma das vítimas da Covid-19 no Brasil.

O projeto foi criado pelo artista plástico Edson Pavoni em colaboração com Rogério Oliveira, Rogério Zé, Alana Rizzo, Guilherme Bullejos, Gabriela Veiga, Giovana Madalosso, Rayane Urani, Jonathan Querubina e voluntários que, continuamente, apuram, entrevistam e adicionam histórias ao Memorial.

O trabalho tem como lema “Não há quem goste de ser número, gente merece existir em prosa”. No site do memorial virtual, familiares e amigos de quem partiu, em virtude da pandemia, deixam dados iniciais sobre o homenageado. As informações são direcionadas para a rede de voluntários que checam a veracidade, além de entrevistar as pessoas para complementar as histórias. A equipe é dividida entre jornalistas, escritores e revisores. Também existem os núcleos de redes sociais e assessoria de imprensa.

Uma live-sarau, em que são lidas algumas das homenagens, também é realizada toda segunda-feira, às 21h no Instagram do Memorial. Alguns tributos ainda são interpretados por artistas no Fantástico, da Rede Globo.

Motivações inumeráveis

O divinopolitano Mateus Teixeira já teve um dos textos lidos pelo ator Ney Latorraca. Foi a história do paraense Fernando Segtowick Gomes Cardoso. De Divinópolis, ele teve a oportunidade de homenagear apenas uma pessoa, Cecilia Maria Parreiras Maia, mas deseja tornar eternas mais gente da terra natal dele.

Desde o final de maio no projeto, a motivação para se tornar voluntário foi conhecer e registrar histórias de vida.

“Como jornalista, adoro conhecer novas histórias e aprendo muito com elas. Neste momento tão difícil que estamos vivendo, levar um pouco de alento e conforto para os familiares também me motiva”, disse.

De Martinho Campos, a jornalista Talita Camargos está atuando como voluntária desde agosto deste ano. Em meio a tanta dor, também há outros sentimentos que são ressignificados neste momento difícil. “A gente recebe muito amor e aprende demais com os homenageados e familiares. O mais gratificante é como as famílias nos recebem, elas dizerem que o tributo e a live-sarau foram parte importante do processo, já que agora não existem os rituais habituais. Já tive familiar que disse me considerar uma irmã e outra que perguntou se podia me considerar uma amiga”, conta.

O jornalista Gabriel Rodrigues, nascido em Arcos, Minas Gerais, também está ajudando como voluntário desde agosto de 2020 e viu no Memorial uma forma de dar conforto para as famílias enlutadas e amenizar a dor delas. “Como entramos em contato com pessoas de várias partes do país, me sinto reconfortado em poder ajudá-los neste momento de perda. É uma forma de oferecer um sentimento de amor e imersão para as famílias. É uma experiência muito positiva”, explicou.

Como solicitar um tributo

As homenagens podem ser solicitadas pelo site do projeto. No espaço, existe a possibilidade de enviar o texto pronto, áudio via WhatsApp ou preencher um formulário. Eles recebem um contato posterior de um voluntário e assim que publicado o link do tributo é enviado para o e-mail do solicitante.

De acordo com a psicóloga especialista em luto e final da vida Denise Stefanoni, que também é voluntária dos Inumeráveis, os tributos ajudam na elaboração do luto e até a seguir em frente.

“Para a elaboração dos tributos, as famílias precisam escrever ou falar sobre a vida do ente querido que morreu, o que promove o acesso as lembranças do passado e da perda, assim como a expressão de emoções, processos que são necessários para a elaboração do luto. Na pandemia, as despedidas e os rituais (velório e enterros) estão restritos. Assim, a publicação do tributo torna a morte mais concreta, assumindo o lugar das despedidas e dos rituais, tão importantes para a aceitação da morte, a elaboração da dor e a continuidade da vida”, explica.

Como ser um voluntário

As candidaturas para voluntariado são feitas no site do projeto. Há vagas para:

Jornalistas: eles têm como tarefas cuidar de histórias que precisam ser escritas do zero. Para isso, entram em contato com a família ou amigos da pessoa a ser homenageada, fazem uma entrevista e, então, escrevem o texto tributo.

Escritores: cuidam de histórias que já foram escritas pelo familiar ou amigo da pessoa a ser homenageada, mas que precisam do olhar de alguém do projeto para serem publicadas.

Revisores: revisam todas as histórias enviadas ao Memorial. Além de correções de gramática e ortografia, também cuidam para que todos os textos estejam dentro das nossas diretrizes de publicação.

Apesar de envolver temas bastante complexos, os voluntários dizem se sentir muito gratos e bem por participar do Memorial. Denise explica que há três pontos que torna tão gratificante fazer parte.

“Primeiro, a oportunidade de reviver e elaborar as próprias perdas e medos; segundo, fazer dessa escrita uma crítica a esse contexto e, portanto, um ‘protesto poético’, como aprendemos nos Inumeráveis; e, terceiro, ter a chance de realizar um trabalho humanizador em contrapartida aos trabalhos alienantes da sociedade capitalista”.

Deixe seu comentário

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do PORTAL GERAIS. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O PORTAL GERAIS poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.