Estado contradiz município e diz que Divinópolis deve se enquadrar na onda amarela

Minas Consciente: Modalidade  restringe o funcionamento de alguns setores da economia em relação a onda verde anunciada pela prefeitura

O secretário-adjunto de Saúde de Minas Gerais, Marcelo Cabral negou, nesta quarta-feira (05), que Divinópolis irá se enquadrar na “onda verde” do programa Minas Consciente. A adesão foi informada nesta terça-feira (04) pelo município. A cidade deve começar pela “onda amarela” que prevê restrições de funcionamento de alguns setores da economia.

“Divinópolis não se enquadrará neste novo critério da onda verde, em função destes critérios aos quais estou me referindo, em função desta onda verde corresponder a antiga onda roxa de atividades mais sensíveis. Essas localidades que se encontravam nesta situação, muito provavelmente, estarão na onda amarela”, explicou o secretário-adjunto durante a coletiva de imprensa diária transmitida pela internet.

Segundo Cabral, há um prazo maior de migração entre uma onda e outra em função da aglutinação delas a partir da reformulação do plano.

“Temos apenas a vermelha, amarela e verdade, sendo a vermelha aquela que traz os serviço essenciais e seguindo para atividades mais sensíveis. Muito provavelmente, a partir das deliberações nos colegiados, nos órgãos próprios dos nossos comitês, estará então na onda amarela e dependerá de cumprimento do período, hoje um período ampliado, em função dos acordos feitos de 28 dias, para se for o caso avançar para a onda verde. Então não, Divinópolis não está onda verde, provavelmente na onda amarela”, informou.

De acordo com o plano, a onda amarela prevê a abertura com restrições de bares (consumo no local); autoescola e cursos de pilotagem; salão de beleza e atividades de estética; comércio de eletrodomésticos e equipamentos de áudio e vídeo; papelaria, lojas de livros, discos e revistas; lojas de roupas, bijuterias, joias, calçados, e artigos de viagem; comércio de itens de cama, mesa e banho; lojas de móveis e lustres; imobiliárias; lojas de departamento e duty free; lojas de brinquedos, para citar alguns.

Já a onda verde ela é mais ampla e permite, por exemplo, o retorno de cinemas, shows e espetáculos em bares, casas de festas, bufês, etc.

Entenda a divisão por ondas nas novas regras do Minas Consciente.

Entenda a divisão por ondas nas novas regras do Minas Consciente

Ontem (04) a secretaria municipal de Saúde informou que o decreto de adesão ainda estava em elaboração e que não havia a lista de quais setores serão permitidos funcionar e os critérios para funcionamento. Disse ainda que estava sendo feito o levantamento para verificar se seria necessário recuar em algumas flexibilizações ou avançar. O decreto deve ser publicado nos próximos dias.

Em nota, a assessoria de comunicação da prefeitura disse que “de agora em diante, o município de Divinópolis aguardará as diretrizes sanitárias oficiais que vierem a ser tidas como necessárias pelo Estado de Minas, posto ser ele (o Estado) o responsável direto pela condução do referido Plano Minas Consciente, sendo certo que serão mantidas no âmbito municipal as medidas de controle da disseminação da COVID-19, notadamente as de distanciamento social, uso de máscara protetora e higienização adequada das mãos”.

Nota na íntegra da prefeitura:

“Por força de decisão do Tribunal de Justiça proferida nos autos da Ação Declaratória nº 4592463-95.2020.8.13.0000, ajuizada pelo Ministério Público estadual, o Município de Divinópolis viu-se impelido a aderir às diretivas que foram estabelecidas pelo Estado de Minas Gerais no Plano Minas Consciente, e assim o fez por meio do Decreto nº 13.882, de 05 de agosto de 2020. É do Estado de Minas, a partir de agora, a responsabilidade pela definição das políticas sanitárias voltadas ao combate à COVID-19.

É importante ressaltar que, até a presente data, Divinópolis conseguiu se manter numa zona de relativo conforto assistencial em meio à pandemia (aliás, foi pioneiro na adoção de medidas de controle social contra a COVID-19). O Município de Divinópolis demonstrou muita responsabilidade no trato dessa grave e importante questão de Saúde Pública até o momento da mencionada adesão ao Plano Minas Consciente.

De agora em diante, o Município de Divinópolis aguardará as diretrizes sanitárias oficiais que vierem a ser tidas como necessárias pelo Estado de Minas, posto ser ele (o Estado) o responsável direto pela condução do referido Plano Minas Consciente, sendo certo que serão mantidas no âmbito municipal as medidas de controle da disseminação da COVID-19, notadamente as de distanciamento social, uso de máscara protetora e higienização adequada das mãos.”

Amanda Quintiliano

Amanda Quintiliano

Amanda Quintiliano é editora-chefe do Portal Centro-Oeste. Jornalista por formação e paixão. Curiosa, observadora e questionadora.

Deixe seu comentário

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do PORTAL GERAIS. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O PORTAL GERAIS poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.